Arquivo da tag: poema

Viagem

Li Leminski. Vi Polanski. Comi poesia e cine, e amei Dia sim, dia não, viajei… No meio do caminho me cansei. O ar e artimanhas aqui estão. Eu, já sem fôlego, continuo na contramão. Anúncios

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Delírio

Um olho gigante colado numa lente, buscando ver para além das janelas e vidraças. \ver uma coisa bela\ uma alma justa\ uma sentinela… e todos os sentidos. Uma máquina desejante sem horário ou bússula. Sem colírio, o olho  quer a visão do paraíso. … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário

Ser e gostar

O ser medita, o eu me dita. Ou será o contrário? Estou  ontologicamente confusa nesta questão. Só posso dizer que me alinho com Paul Valéry: “O mais profundo é a pele”. Sigo os passos patafísicos de Alfred Jarry. Às  vezes … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário

Disfarce I

Sou fraca, vivo em cio. Nunca acho a palavra certa Busco linhas tortas em fumaça , álcool  e alento. Abuso de cigarros e cachaça Penso inventar um desabafo líquido, lírico, livre e louco. Me disfarço de poeta e flutuo na … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário

Face I

Leio e fecho olhos. Leio e amanheço. Desfolho-me na paisagem. Sou feita de ordem e desordem Busco  o encontro de luzes e matizes acertos, avessos, apelos, anseios. Ter subterfúgios e vaidades discretas Ser demasiadamente humana como bicho Sobreviver na mata … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário

Patife Band

watch?v=i_R4wlzhsOY

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário

Vil e ridículo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário