Arquivo da tag: POESIA

Rastros do real

Amar os acontecimentos requer sabedoria e ancestralidade. Talvez seja preciso descamar avidamente a carne dos fatos para depois mastigar: deglutir amavelmente as fatias do real, uma a uma. Não há um começo, uma origem. Há um desabafo, uma ânsia\não se … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário

Sabores

Dq-6tOBUmNY Fando Y Lys Saborear pétalas de espantos Mastigar lentamente sonhos Arrotar imagens e poesia. Desnortear os sentidos. Temperar a vida. Comer, degustar e apreciar outros sabores.

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Fluxo

Imagino ser guarda-chuva, teoria, truque, mulher. Mas a cada instante a imaginação se refaz. Isso tudo se evapora, vira névoa, vira história. Agora sou pedra, sal, parafuso, incógnita. O tempo e a substância vivem em ebulição. As vísceras são voláteis … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , | Deixe um comentário

Sem ponto ou pranto

conto carneiros nos dedos, assobio sonhos, encho a cara com melodias , me torno líquida qualquer coisa esquisita, qualquer folha escrita coso as bordas da vida num sorriso indiscreto ouço o chorar dos sinos e  as dobras do tempo finjo … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com | Deixe um comentário

Um poema

O que explica um poema? O percurso da História? A biografia e os sentimentos de quem o escreveu? A sensibilidade de quem lê os versos? Cada poema é único e irredutível, traz em seu bojo uma singularidade. Não é apenas … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , | Deixe um comentário

PIO

Ia falar alguma coisa, mas esqueci. Por que falar? Pra que palavras? Já me calava quando lembrei o nome e o sentido extraviado no céu, falei ao passarinho que me levava no bico disse baixinho, só para ele, tenho medo … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com | Deixe um comentário

Domingo poético

Nasço do desejo do absurdo, não do absoluto Cultivo ócios e  vícios, e tenho como guias: paixão e acaso Acendo um fósforo, e oscilo entre  a ordem e o caos Com o  coração planto bananeiras e teço  meu anacrônico ser … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com | Deixe um comentário