PIO

Ia falar alguma coisa, mas esqueci.

Por que falar? Pra que palavras?

Já me calava quando lembrei

o nome e o sentido extraviado no céu,

falei ao passarinho que me levava no bico

disse baixinho, só para ele, tenho medo

não sei se ele me ouviu enquanto voávamos

o vento fazia barulho e lá acima do mundo

meu coração infantil possuía asas e penas

ver do alto bordava a cidade de outro jeito

casas, telhados, gente e ruas tudo miúdo

fazíamos piruetas entre as nuvens quando

um tiro acertou-me o peito e o azul inteiro girou

até eu cair no meio dos homens, sem dizer um pio.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s